Cinema

Garota Interrompida

Sinopse: Em 1967, após uma sessão com um psicanalista que nunca havia visto antes, Susanna Kaysen foi diagnosticada como vítima deTranstorno de Personalidade Limítrofe (ou borderline). Enviada para um hospital psiquiátrico, onde viveu nos dois anos seguintes, ela conhece um novo mundo, de jovens garotas sedutoras e transtornadas. Entre elas está Lisa Rowe, uma charmosa sociopata que organiza uma fuga com Susanna, Georgina e Polly, com o intuito de retomarem suas vidas. Baseado em livro de memórias homônimo, escrito por Susanna Kaysen.

Direção: James Mangold.

Elenco: Winona Ryder, Angelina Jolie, Jared Leto, Whoopi Goldberg, Vanessa Redgrave, Clea DuVall, Brittany Murphy, Elisabeth Moss, Jeffrey Tambor e Lilian Armenante.

Os trechos seguintes podem conter SPOILER:

No filme Susanna uma garota de 18 anos, rica, boa família, pais inteligentes, bem-sucedidos e muito ocupados. Ela não se interessa pelos estudos, com exceção de literatura e biologia (matéria em que leva bomba duas vezes). Ao se concentrar em alguma tarefa, como os deveres da escola, freqüentemente sua atenção é desviada e começa a esfregar os pulsos na borda da cadeira, mas pára antes de se ferir seriamente. Tem vários namorados, e se encantou com um professor de inglês. Fica muito tempo pensando e imaginando a própria morte. Susanna sente fortes dores e para acabar com a dor toma 50 aspirinas com vodka, conseguindo sobreviver a essa tentativa de suicídio seus pais sem saber como lidar com a situação resolvem  leva- la para uma consulta com um psiquiatra. O primeiro psiquiatra que atende Susanna demonstra ser impaciente e irônico quando confrontado com as reclamações da paciente, estando mais preocupado em ajudar o pai da paciente. A cena expõe o conflito interno da protagonista,  então o medico sugere  que ela se interne em um hospital psiquiátrico, para “um descanso”. Ela foi posta em um táxi até o Hospital McLean, onde lá encontrou Valerie uma compreensiva e sábia enfermeira chefe do hospital. Ela apresenta Susanna às suas novas colegas, incluindo a ousada sociopata Lisa que manipula as pacientes com uma facilidade ímpar, ao mesmo tempo em que fala verdades para todas. A personagem Lisa é representada como uma rebelde que contesta a existência de doença mental. Para ela, a psicanálise é uma indústria amaldiçoada e o tratamento assemelha–se a um estupro, uma invasão. Dra. Wick surge na trama após uma seqüência onde  os pacientes fazem uma festa escondida no hospital e são descobertos pela enfermeira–chefe,  ela utiliza o incidente para se comunicar com Susanna. A psiquiatra a estimula a buscar a recuperação, sendo ajudante da protagonista. 

Garota Interrompida é o meu filme preferido por sentir as obsessões que cercam aquele filme e ter vivido muito de alguns transtornos que foram representados, me fazendo refletir o que posso considerar dentro do padrão ou anormal (insanidade).  Apesar dos diferentes tipos de distúrbios – sociopatia, anorexia, cleptomania, bipolaridade, etc- concentra-se em questões não tão óbvias, em questões existenciais muito particulares. Susanna era um pouco perdida, de poucas atitudes, no entanto buscava o autoconhecimento. Mas não suportou a pressão de atingir as expectativas da sociedade e desempenhar, sem máculas, seu papel. Refugiou-se, ainda que relutante, entre pessoas que, assim como ela, não se adaptavam e por isso fugiam do padrão considerado normal. O drama busca dialogar sobre o conceito de loucura. Será parte da nossa existência, sendo intrínseca ao homem? O que é, afinal, a loucura? Susanna Kaysen a chamou de uma amplificação dos sentidos e dos desejos. A loucura é um ato de suspensão no qual nos encontramos vez ou outra, é um estado que surge quando os sentimentos nos levam ao limite. Quando o bom senso desequilibra, e há o exagero. É uma interrupção do que se julga conveniente. A loucura ocorre quando as pessoas normais se assustam, quando são mais espontâneas do que imaginavam ser. Ou tomam atitudes mais radicais do que tencionavam tomar.

Obs. pessoal: Uma das cenas mais marcante do filme é a morte de Daisy, a agonia do disco travado tocando repetidamente End Of The World – Skeeter Davis. Chorei por me sentir no corpo de Susanna sem poder fazer nada contra Lisa, que provocou a morte prematura de Daisy. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s